O lugar do homem abençoado


“Se a sua confiança está no Senhor, e não no seu próprio braço, então você será aquele homem abençoado”
As pessoas nem sempre têm clareza disso, mas existem homens que são abençoados e há outros que vivem debaixo de maldição. A Bíblia nos dá uma imagem clara desses dois tipos de homens no livro de Jeremias.

Assim diz o SENHOR: Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do SENHOR! Porque será como o arbusto solitário no deserto e não verá quando vier o bem; antes, morará nos lugares secos do deserto, na terra salgada e inabitável. Bendito o homem que confia no SENHOR e cuja esperança é o SENHOR. Porque ele é como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e, no ano de sequidão, não se perturba, nem deixa de dar fruto. (Jr 17.5-8)

COMO É ALGUÉM DEBAIXO DE MALDIÇÃO?
A Escritura diz, no verso 5, que um homem fica debaixo de maldição quando escolhe confiar no homem e fazer da carne mortal o seu braço. Confiar no homem significa, antes de tudo, confiar em si mesmo. Significa depositar confiança em suas próprias obras e esforços. O homem confia na carne quando escolhe confiar em si mesmo em vez de descansar no favor imerecido de Deus.
Fazer da carne mortal o seu braço coloca o homem debaixo de maldição. A carne nem sempre significa o nosso corpo físico. Você precisa observar o contexto para saber. E, nesse caso, a carne significa o esforço próprio. Confiar em nosso esforço próprio é algo muito sério.
Existem duas maneiras básicas como podemos viver a nossa vida. A primeira é dependermos e confiarmos no favor imerecido, na graça de Deus. A outra é dependermos de nossos esforços e de nossas obras para merecermos o sucesso e a bênção. O problema é que não importa o quanto lutemos, jamais poderemos ser justos o suficiente para merecermos a bênção e nem nunca obteremos o nosso próprio perdão. Assim, o sucesso que podemos obter na carne é sempre parcial. Mas quando Deus nos abençoa, o sucesso é completo e atinge todos os aspectos de nossa vida.

A bênção do SENHOR enriquece, e, com ela, ele não traz desgosto. (Pv 10.22)

A bênção de Deus não é um tipo de presente de grego. Deus nunca nos dá sucesso às custas de nossa família, casamento ou saúde. Infelizmente, alguns usam toda a sua saúde para perseguir a riqueza e depois usam toda a sua riqueza para recuperar a saúde.
Quando você depende de seus esforços, você luta durante anos e consegue alguma medida de sucesso. Mas, debaixo do favor de Deus, em apenas alguns momentos, você experimenta crescimento e prosperidade que anos de esforço nunca poderiam proporcionar.
Veja o exemplo de José do Egito, apenas um momento depois de se encontrar com Faraó, ele tinha sido promovido ao posto mais alto do império egípcio. Mesmo que hoje você pareça estar por baixo, continue olhando para o Senhor e esperando na sua graça, pois Ele pode promovê-lo repentinamente de forma sobrenatural.

NÃO VÊ QUANDO VEM O BEM
O verso 6 diz que ele será como arbusto solitário no deserto e não verá quando vier o bem. Isso é algo realmente surpreendente. O bem passa pelo caminho do homem debaixo de maldição, o problema é que ele não vê.
Aqueles que confiam em si mesmos, no próprio esforço, tendem a ser muito orgulhosos. Isso faz com que eles desprezem os outros que estão ao seu derredor. Assim, eles se tornam incapazes de ver coisas boas que estão ali debaixo do seu nariz.
Eles não reconhecem o cônjuge ou os filhos como bênção. Não conseguem valorizar seus auxiliares e cooperadores e por isso os perdem, e essas mesmas pessoas vão ser bênção na vida de outros.
Por que essas pessoas não percebem o bem? Porque, como confiam sempre no próprio esforço, elas não têm capacidade de enxergar a bênção que procede do Senhor. Para elas, o bem é uma recompensa do seu esforço próprio. Como se julgam merecedoras, não costumam ser gratas por nada e nem ninguém. É gente que sempre acha que os outros estão no lucro com elas, mas que elas mesmas mereciam gente melhor do seu lado.
De forma oposta, aqueles que confiam na graça, no favor imerecido, são sempre gratos e por isso percebem a bênção quando ela vem. Sabem que possuem muito mais do que merecem, por isso são gratos e alegres.

É COMO O ARBUSTO SOLITÁRIO NO DESERTO
Esta é uma imagem realmente sombria. Um arbusto solitário nos fala de alguém amargurado e ressentido. Sua aparência é de alguém fraco e envelhecido, uma imagem cansada e desfigurada. Esta é a descrição de Deus de alguém que confia em si mesmo.
Terminar a vido sozinha e amargurado é sinal de maldição. Viver sozinho é ruim, mas viver num deserto fala de alguém que não desfruta do orvalho da graça sobre ele e por isso não produz fruto. É triste quando tudo o que resta é a sequidão de estio.

COMO É O HOMEM ABENÇOADO?
A imagem de um homem abençoado é a de uma árvore plantada junto a correntes de água, que estende as suas raízes para o ribeiro. Por causa disso, ele não receia quando vem o calor e suas folhas estão sempre verdes. No ano da sequidão, ele não se perturba e nem deixa de dar frutos.
Enquanto o homem debaixo de maldição não vê quando vem o bem, o homem abençoado não teme nem quando vem o calor da tribulação. Isso é algo tremendo! Os anos de calor e tribulação vêm mesmo para o homem abençoado, contudo ele não teme a seca e nem o calor, mas continua a dar fruto.
O homem abençoado é como a árvore que está sempre verde. Isso significa que ele parece sempre mais jovem e vive cheio de entusiasmo e dinamismo.
O texto diz que o homem abençoado no tempo da seca não se perturba. Isso significa que ele não tem ataques de pânico e nem vive debaixo de estresse e medo. Um ano de sequidão resulta num tempo de pouca colheita, inflação alta e desemprego. Esta é apenas outra palavra para os modernos anos de crise financeira.
Em tempos assim, o homem abençoado permanece em paz e cheio de descanso, porque a promessa de Deus é que, mesmo nessas épocas, ele não deixa de dar fruto. Tudo isso é assim porque ele confia no Senhor.

UM CRENTE PODE FICAR SOB MALDIÇÃO?
Esta é uma pergunta importante, e a resposta é sim. Infelizmente, existem crentes que preferem depender de si mesmos em vez de confiar no Senhor. Eles dependem do Senhor Jesus para ser salvos, mas depois tomam para si a responsabilidade pelo sucesso em sua família, finanças e ministério.
Todo crente foi liberto da maldição da lei, mas quando ele rejeita a graça de Deus e resolve depender de suas próprias obras para ser abençoado, volta a cair na maldição da lei. Isso não significa que ele perdeu a salvação, significa apenas que confia em si mesmo para ser abençoado.
Paulo diz que, quando voltamos a depender de nossa própria obediência para ser abençoados, estamos voltando ao antigo sistema da lei.

De Cristo vos desligastes, vós que procurais justificar-vos na lei; da graça decaístes. (Gl 5.4)

Decair da graça não significa cair no pecado, mas cair na lei. Cair na lei significa confiar nas próprias obras e obediência para ser abençoado. Se você volta ao sistema da lei, então fica sujeito à maldição decorrente da quebra da lei.
Preciso lhe dizer que não é Deus quem nos amaldiçoa. É a própria lei que nos condena. Isso acontece porque ninguém jamais consegue cumprir o padrão perfeito da lei. E Tiago 2.10 afirma que qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos.
Paulo diz aos gálatas que ninguém será considerado justo por cumprir os mandamentos da lei. Somos justificados somente pela fé, e é por isso que o justo vive pela fé. Fé em quê? Na obra consumada de Jesus. Se a sua confiança está no Senhor, e não no seu próprio braço, então você será aquele homem abençoado.

E é evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé. Ora, a lei não procede de fé […] (Gl 3.11-12)

Quando o Senhor morreu na cruz, Ele nos redimiu da maldição da lei. A maioria das pessoas pensa que será amaldiçoado quando pecar, mas a verdade é que a maldição vem quando saímos da graça e voltamos para a lei.

Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se ele próprio maldição em nosso lugar (porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado em madeiro), para que a bênção de Abraão chegasse aos gentios, em Jesus Cristo […] (Gl 3.13-14)

Se você descansa na obra consumada, mesmo quando falha e peca, você não será condenado e amaldiçoado, porque em Cristo você já está perdoado e justificado. O pecado não é mais o problema, o problema é a insistência do homem em confiar em seu próprio esforço.

QUEM PODE SER ABENÇOADO?
Davi diz que abençoado é o homem a quem Deus atribui justiça independentemente de obras. Abençoado é aquele que foi perdoado e o Senhor nunca mais lhe atribuirá pecado.

E é assim também que Davi declara ser bem-aventurado o homem a quem Deus atribui justiça, independentemente de obras: Bem-aventurados aqueles cujas iniqüidades são perdoadas, e cujos pecados são cobertos; bem-aventurado o homem a quem o Senhor jamais imputará pecado. (Rm 4.6-8)

A Palavra de Deus não diz que o homem abençoado não peca. A Bíblia diz que, mesmo quando ele peca, esse pecado não lhe é imputado. Mesmo quando peca, o pecado não é colocado na sua conta. Por quê? Porque todos os seus pecados já foram punidos na cruz do Calvário.
É por isso que dizemos que um crente continua sendo justo mesmo quando peca. Ele recebeu o dom da justiça. Ele tem uma posição de justo diante de Deus.
Será que saber que Deus não nos imputa mais o pecado vai nos fazer sair correndo para pecar? Claro que não! A sua graça enche o nosso coração e, porque sabemos que somos eternamente perdoados, nós corremos para Ele para lhe apresentar todas as nossas lutas.
Esse homem justo agora pode ser abençoado. Devido a sua confiança estar no Senhor, e não em sua força ou merecimento, você será como árvore plantada junto às águas, que estende suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e, no ano de sequidão, não se perturba, nem deixa de dar fruto.


Perguntas para compartilhar:
  1. Por que algumas pessoas percebem o bem e outras não?
  2. Mesmo quando peca, o pecado não é colocado na sua conta. Por quê?
  3. Somos justificados somente pela fé e é por isso que o justo vive pela fé. Fé em quê?

Postar um comentário

0 Comentários